Não é caldo...

sábado, agosto 31, 2002

Ao contrário do meu amigo Gustavo, que pelo segundo sábado seguido amanhece sem ressaca, eu mais uma vez me arrasto para fora da minha cama já no meio da tarde na busca desesperada por um copo de água. O ideal seria uma Coca gelada, mas mesmo que eu tivesse comprado, com certeza a 'boquinha nervosa' do Marlos teria tomado tudo.

E enquanto Gustavo começa o dia com o excelente 'Sinal Aberto', cd duplo de Toquinho e Paulinho da Viola, (já tive esse cd, mas ele foi consumido pelas chamas, junto com outras obras-primas em cd e papel que eu tinha), eu prefiro escutar a melancolia de Renato Russo e Cia. no excelente acústico da Legião Urbana.

Agora é hora de secar o fluzinho e mais tarde assistir ao filme "Virgens Suicidas", excelente produção dirigida pela filha do Coppola. Recomendo a todos, começa às 19h20 no Telecine Premium.

quarta-feira, agosto 28, 2002

Em época de eleição é comum aparecerem candidatos afirmando que tem dossiês contra outros, mas que não vão divulgar para manter o nível do debate político. Como Ciro Gomes fez agora com José Serra.
Bom, das duas uma: ou dossiê só tem acusações sem prova nenhuma, o que é difamação, ou tem provas e ao não divulgar os documentos o candidato está sendo conivente com um crime, o que também é crime.
E o mais engraçado é que o judiciário não toma providência nenhuma.
Algumas músicas têm uma capacidade incrível de viciar. Você sabe que elas são uma droga, que aos poucos vão destruindo seu cérebro, mas mesmo assim não consegue resistir e acabo escutando. Você não comenta com os amigos porque tem vergonha de confessar seu vício, mas como dizem que reconhecer o problema é o primeiro passo rumo a cura, vou confessar: estou totalmente viciado na música de um grupo espanhol chamado 'Las Ketchup" (?!?!?!?). A música se chama "Asereje" e é cantada por 3 espanholinhas que dançam desajeitadamente. Não são maravilhosas, mas tem uma, de cabelos negros, rosto branco e olhos claros que eu casava amanhã.

A culpada disso é a Maria, não a Fabriani, mas sim a Lahitte, que me apresentou essa droga pesada e viciante.
Valente comentou sobre este jogo e me lembrei que já joguei muito. Quem era fã de futebol de botão com certeza vai adorar
Mas cuidado, muito cuidado, o PegBall é altamente viciante.

terça-feira, agosto 27, 2002

Tem dois dias do ano em que não adianta marcarem nada comigo. Nem me pedirem para trabalhar, mesmo que um avião caia sobre o Palácio do Planalto.
Um desses dias foi ontem, o aniversário da minha filha caçula. O outro é dia 28 de outubro, aniversário da minha filha mais velha.

sexta-feira, agosto 23, 2002

Fui ao Centro hoje resolver uns assuntos meio chatos. Como acabei cedo, fui dar uma olhada nas bancas de jornal. Resultado, todo dinheiro que tinha no bolso foi embora. MInhas aquisições foram: DVD "Atraídos pelo desejo", do diretor Neil Jordan, e dois livros da coleção Obras-Primas: "Os Trabalhadores do Mar", de Victor Hugo, e "A Divina Comédia", de Dante Alighieri.

Mais brincadeiras com animações em flash com o título do blog...

quarta-feira, agosto 21, 2002

Brasil 0 x 1 Paraguai
Ou seja, além de tudo, Ciro é mesmo um tremendo pé-frio...
Bom, só para constar aqui. Estou torcendo para o Paraguai. Entregar camisa para o Ciro antes do jogo é vergonhoso.
Tomara que a seleção perca e Ciro fique com a fama de pé frio......
Ontem assisti no MGM a um programa da AFI (American Film Institute) sobre os 100 maiores romances das telas no século 20. Com trechos do filme e comentários de atores, diretores e produtores. Entre os escolhidos, filmes bem diferentes como Manhatan, Harry & Sally, King Kong, A Bela e a Fera, Sabrina, Bonequina de luxo. Abaixo, a lista dos 10 primeiros colocados:

10 - City lights (Luzes da Cidade - 1931) - Charles Chaplin vive um vagabundo que decide ajudar uma vendedoras de flores cega a pagar uma cirurgia para recuperar a visão. Depois que ela volta a enxergar, ele se afasta com vergonha de que ela descubra que ele é um vagabundo. A cena em que ela reconhece Chaplin ao tocar a mão dele é de fazer até o Phillip Marlowe chorar.

9 - Love Story (Um história de amor - 1970) - Este filme é a alegria dos fabricantes de lenço de papel. Lágrimas e mais lágrimas foram derramadas por quem assistiu ao trágico romance entre Ryan O´Neil e Ali MacGraw. Os dois vivem uma intensa história de amor, lutando contra o pai dele que é contra o casamento e uma doença fatal que ela tem.

8 - It´s a wonderful life (A felicidade não se compra - 1946) - Apesar de ter sido um fracasso na época em que foi lançado, este filme hoje em dia é considerado a obra-prima de Frank Capra. James Stewart (o ator preferido de capra) interpreta um banqueiro de uma pequena cidade que abriu mão de várias coisas para se dedicar ao trabalho e a ajudar as pessoas, emprestando dinheiro a juros insignificantes. Às vésperas do Natal, perto da falência, ele reavalia sua vida e decide se matar. Uma anja atrapalhada aparece para ajudá-lo e mostrar como seriam miseráveis a vida da sua mulher e das pessoas da cidade se ele não existisse. Uma comovonte fábula de Natal

7 - Doctor Zhivago (Doutor Jivago - 1965) - O épico de David Lean foi adaptado do romance de Boris Pasternak, vencedor do prêmio Nobel. A produção acompanha a trajetória do médico/poeta Jivago (interpretado por Omar Sharif) antes, durante e depois da Revolução Russa. Enquanto o país está sendo agitado pelas mudanças, Jivago vive um triãngulo amoroso com sua aristocrática esposa e uma enfermeira reacionária. O filme eu acho um tanto quanto chato e a música "Lara´s Theme" um tanto quanto irritante.

6 - The way we were (Nosso Amor de ontem - 1973) - O roteirista de "Harry & Sally" com certeza assistu ao filme de Sidney Pollack estrelado por Robert Redford e Barbra Streisand. A produção conta a histórias de dois estudantes com ideologias políticas radicalmente diferentes (ela uma judia comunista e ele um protestante conservador) que se conhecem e se apaixonam. O filme acompanha o conturbado realcionamento deles ao longo dos anos 50, época da caça aos comunistas nos EUA.

5 - An affair to remember (Tarde demais para esquecer - 1957) - Em "Slepless in Seattle" (Sintonia do amor), Tom Hanks e a deusa Meg Ryan marcam um encontro no alto do Empire States Building por causa da comovente história vivida nas telas por Cary Grant e Deborah Kerr. Os dois se apaixonam em um cruzeiro. Uma paixão intensa e arrebatadora. Como os dois estavam envolvidos com outras pessoas antes de se conhecerem, quando a viagem termina, eles combinam uma data para se reencontrarem no alto do Empire State. No dia, ao correr ao encontro do amado, Deborah Kerr é atropelada e fica paralítica. Grant a espera por horas e pensa que ela o esqueceu. Até reencontrá-la...

4 - Roman Holiday (A princesa e o plebeu - 1953) - Já disse que sou totalmente apaixonado por Meg Ryan, Andie McDowell e Gwyneth Paltrow. As chamo de minhas paixões hollywoodianas. Se tivesse vivido durante os anos 50, tenho certeza que minha paixão hollywoodiana seria Audrey Hepburn. Linda, charmosa, maravilhosa. Ela birlha na história da princesa que em Roma decide viver como uma mortal comum. Um jornalista americano a ciceroneia pela cidade, a princípio interessado em uma matéria, mas aos poucos vai se apaixonando. Quem resistiria a Audrey? Um dos meus sonhos é repetir o passeio de lambreta pelas ruas de Roma que os dois fazem, com a mulher da minha vida na garupa.

3 - West Side Story (Amor, sublime amor - 1961) - A história desse musical é super conhecida: Romeu e Julieta. O que faz a diferença aqui é a ambientação e as músicas. Aqui a ação se passa na Nova York no começo dos anos 60. Em vez de famílias, gangues rivais. Em discussão, o preconceito. Os Jets (composto por imigrantes italianos) odeiam os Sharks por eles seren latinos. E vivem brigando pelas ruas. Até que Maria, irmã do líder dos Sharks, se apaixona por Tony, um relutante membro dos Jets. O final, como o original de Shakespeare, é trágico. Tudo isso embalado pelas músicas do mestre Leonard Bernstein com letra de Stephen Sondheim. Destaque para Somewhere, que Renato Russo regravou.

2 - Gone with the wind (E o vento levou) - Scarlett O´Hara e Rhet Butler. Um dos casais mais explosivos das telas. Duas personalidades fortes em constante choque. Scarlett, uma mulher orgulhosa e egoísta, não admite ter perdido o homem por quem era apaixonada, Ashley, para a prima. Com a guerra civil americana de fundo, ela faz de tudo para ficar com ele, muito mais por orgulho do que por amor. Orgulho que a leva a se casar com Rhet, um cara durão como um detetive de Raymond Chandler, mas apaixonado por Scarlet. Quando ela finalmente percebe que na verdade ama Rhett, já é tarde demais. O diálogo da despedida é sensacional:
SCARLETT: Rhett! If you go, where shall I go? What shall I do?
RHETT: Frankly my dear, I don't give a damn.


1 - Casablanca (Casablanca- 1942) - Para derrotar Rhett e Scarlett, só mesmo Rick e Ilsa, magistralmente interpretados por Humphrey Bogart e Ingrid Bergman. A cena final, em que ambos têm que abrir mão do seu amor, é com certeza uma das mais citadas e copiadas em outros filmes. E duvido que vocês nunca tenham cantarolado alguma vez "As times goes by".

terça-feira, agosto 20, 2002

Ontem fui ver "Insônia", filme com Al Pacino e do mesmo diretor de "Amnésia". O filme comfirma que Christopher Nolan é um diretor muito bom. Muitos críticos disseram que "Amnésia" era apenas um truque de montagem. Não é. É um filme extremamente inteligente e bem feito. Mesmo vendo na ordem cronológica (o que é possível no DVD) o filme continua sendo muito bom.

E "Insônia" é um filme que te deixa nervoso, inquieto. Não vou falar dele aqui para não entregar nenhum detalhe e estragar a surpresa de quem não viu, mas recomendo para todos....

domingo, agosto 18, 2002

Fazia tempo que não brincava com o programa de animação Flash. Nem lembrava direito como fazer. Relembrei alguma coisa e fiz o título do blog em flash.
Fica melhor se você tiver som no computador.

sexta-feira, agosto 16, 2002

O único CD de estúdio da Legião Urbana que não tenho é "Uma outra estação" lançado após a morte de Renato Russo, basicamente com material que não entrou em "A tempestade". Fui procurar no Submarino e eles estão cobrando R$ 31,50. Achei um roubo. Se alguém souber onde tem para vender mais baratinho, por favor me avise.
Lula fez comício no Rio ontem. Teve um público razoável, mas me lembro do comício dele em 89 na Candelária em que havia uma multidão. Eu estava lá, cantando o jingle e de bandeira em punho.
Nessas eleições ao que parece não há a mesma mobilização, mas acho que é até normal. Afinal, em 89 era a primeira eleição direta para presidente desde a ditadura. O clima era outro. De lá ´para cá, os temas econômicos passaram a ser mais noticiados e debatidos do que os políticos.
Mas espero que essa falta de mobilização não signifique que as pessoas também não estão procurando se informar.
Esse papo todo na verdade foi para fazer a propaganda do especial de eleições do Globonews.com que entrou hoje no ar. Entrem e confiram a melhor cobertura das eleições na internet brasileira

quinta-feira, agosto 15, 2002

Tenho no computador aqui do trabalho mais de 530 músicas, gravadas de CDs ou baixadas da internet. Depois de asssistir ao Jornal da Globo, pego meus fones e vou ouvir um som enquanto termino de editar as capas do Globonews.com e da Globo.com.
Gosto de colocar para tocar em ordem aleatória. Assim é possível ouvir um David Bowie, seguido de um Ray Charles, Dead Kennedys, Björk, Limp Bizkit, Legião Urbana, etc. A cada nova música, um som totalmente diferente......
Hoje foi dia de faxineira, logo, dia de acordar cedo e ir bater perna. Para variar, fui ao Rio Sul. Passei na Saraiva e encontrei lá o dvd "Ontem, hoje, amanhã", dirigido por Vittorio de Sica e estrelado por Sophia Loren e Marcelo Mastroianni, por apenas R$ 19,90. O filme ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 1965.

No embalo, aproveitei e comprei "Dom Quixote". Estão relançando a coleção de clássicos da literatura, com capa dura, papel especial e borda dourada. Li vários livros dessa coleção durante a minha adolescência, mas eles ficaram todos na casa da minha mãe.

A primeira edição foi lançada no começo dos anos 80 (a capa do 'Dom Quixote' era verde, agora é vermelha) com 60 livros. A coleção atual terá apenas 40. E parece que alguns títulos foram trocados, como os de Machado de Assis. Na original foram lançados "Dom Casmurro" e "Memórias póstumas de Brás Cubas". Agora parece que serão lançados "Esaú e Jacó" e "Memorial dos Aires".

Aconselho todos a comprar, afinal, custam apenas R$ 9,90 cada. A cada semana, um novo nas bancas.
A galera aqui do trabalho anda muito criativa. Ou anda com muito tempo livre. Mais um blog nasce aqui na redação. Mas só quem conhece a galera daqui vai entender: http://basuraonline.blogspot.com/
Só queria fazer uma perguntinha aos tricolores (que se multiplicaram no Rio nos últimos dias): Romário jogou ontem?

segunda-feira, agosto 12, 2002

Se fosse amador, estaria dizendo hoje: nunca mais bebo.

Normalmente não tenho ressaca. Mas nesse final de semana peguei pesadíssimo. Tudo começou na sexta. Sai do trabalho e fui para casa encontrar com uns antigos colegas de faculdade. Lá estavam Todynho com sua esposa, Marcellus, Reinaldo, Marcele e amigas, Gustavo (que foi embora logo) e Alessandra. Mais tarde chegaram Edmundo e Viviane. Latas e mais latas de cerveja foram consumidas. Lá pelas tantas a galera debandou em conjunto. Quando olhei, restavam na casa eu, Edmundo e Viviane dormindo no sofá, e Marlos alugando Alessandra (esse aluguel já dura 12 anos).

Resolvi então sair. Já eram 3h da matina e pensava em fechar a noite na Matriz. Mas encontro todo mundo que tinha acabado de sair da minha casa no portão combinando de irem ao Capela. Claro que fui. Muitos chopps depois lembro vagamente de terminar a noite tendo uma discussão babaca com o Reinaldo sobre mulheres que pegamos ou não na faculdade.

Com o dia amanhecendo, fui deixado de volta na minha casa. Um rápido cochilo e por volta das 13h já estava de pé, saindo para comprar algumas coisas na rua. Depois fui para um barzinho. Sentei lá às 15h e só levantei 1h da madruga, enxugando tulipas e mais tulipas de chopp. Fui depois das 3h da matina. Acordei antes das 9h para ir visitar minhas filhas em Niterói. Pretendia almoçar com elas, mas divergências com minha ex fizeram com que eu voltasse cedo.

Pretendia passar o dia em clima light, para dar um tempo do meu organismo se recuperar. Mas Marlos surge com a idéia de irmos a uma churrascaria rodízio. Claro que liguei para o Valente que sempre topa um rodízio aos domingos e fomos para Estrela do Sul, do lado de casa. Já que estava lá, não ia deixar por menos. Para abrir os trabalhos uma caipirinha. Tivemos que esperar por mesa e uns pasteizinhos ajudaram a passar o tempo. E como se é para ir gastar, tem que gastar direito, no final sobremesa, licor e uma conta absurda...

Depois dessa orgia gastronômica, não consegui ver o show de bola do Mengão. Cochilei durante o jogo. Só acordo algumas horas depois, para ir jogar sinuca. Gustavo estava jogando acompanhado do Sobrenatural de Almeida e ganhou nove partidas de duplas. Mas não me venceu na única individual que jogamos. Durante as partidas, vários copos de suco de sinuca (vodka+licor de menta). Na saída, paramos para um chopp com steinhager no Lamas para fechar a noite. Mas Marlos não quis fechar tão cedo, então ao chegarmos em casa resolveu detonar a garrafa de Bacardi que estava lá. Como não sou de deixar amigo beber sozinho, o acompanhei.

A semana será de recuperação. Tenho a impressão de ter mais álcool do que sangue no meu corpo. E final de semana que vem promete: na sexta, a volta da famosa festa MATE-ME POR FAVOR, e no sábado, festa no Hipódromo Up. Sendo que estarei de plantão...

quinta-feira, agosto 08, 2002

Questão de ética/moral apresentada no "Diário de Lisboa" em Portugal.

O texto está em sua forma original.

"Com toda esta polêmica a propósito da clonagem, uma grande pergunta urge colocar:
Alguém que tenha relações sexuais com o seu próprio clone, é gay ou está a masturbar-se?..."

É por isso que nunca vou a médicos, só em emergências:

CIDADE DO MÉXICO- Um médico mexicano decepou acidentalmente o pênis de um paciente que havia ido ao consultório apenas para fazer uma circuncisão, informou nesta quinta-feira o site da BBC. Francisco Javier Valentin y Ortiz, que trabalha em uma clínica pública, foi preso pela polícia de Tijuana. O nome do paciente não foi revelado.
ATENÇÃO
A festa MATE-ME POR FAVOR - MAIS FORTE AINDA foi adiada, não será mais neste sábado, 10 de agosto. Por problemas de agenda do Gustavo e da SPIN a festa ficou para o dia 16 de agosto, sexta-feira.
Uma pequena amostra do que sou obrigado a aturar no trabalho. Esse blog aqui reúne as pérolas da galera da Tecnologia/Criação daqui. Confiram: http://auziuzi.blogspot.com/

quarta-feira, agosto 07, 2002

Eu normalmente chego em casa tipo 2h, 3h da manhã. Como estou cansado de tanto ler no trabalho, ligo a tv e fico trocando os canais em busca de algo para ver. Nessas buscas, de vez em quando, encontro uns filmes dos quais nunca tinha ouvido falar. Não são grandes filmes. São filmes bonzinhos, com uma cena, um diálogo ou uma música que ficam marcados.

Se vocês um dia estiverem de bobeira pela TV e esbarrarem com Hotel Splendide (com Toni Collette e que lembra Delicatessen), The Tall guy (com Jeff Goldblum e Emma Thompson) ou The Pallbearer (com o Ross, de Friends, e a deusa Gwyneth Paltrow) parem para assistir. Os títulos estão inglês porque não lembrava os nomes dos filmes e tive que pesquisar no IMDB.

terça-feira, agosto 06, 2002

Tentei, juro que tentei. Mas não consegui me esconder a tempo do França

Ele me alcançou. De longe me avistou e veio dizendo: 'tenho dois livros excelentes para você'.

Gelei, pensei na minha conta bancária e me pasosu pela cabeça a idéia de simular um desmaio, para escapar dele. Desisti, meio mico demais.

Mas fui firme com ele. Dos dois livros que ele me ofereceu, comprei só um. Um tijolaço de 850 páginas. Não direi o preço aqui, porque nem quero me lembrar disso.
Mesmo com o desconto e com cheque para setembro, eu sei que não podia ter comprado. Mas como resistir ao último livro de James Ellroy, autor de 'Los Angeles - Cidade Proibida', 'Dália Nega', 'Tablóide americano' entre outros.

Desta vez minha pilha de livros para ler ficará realmente grande com as 850 páginas de '6 mil em espécie', romance que acontece logo depois do assassinato do presidente Kennedy e especula sobre uma conspiração. Segue de onde 'Tablóide americano' parou.

Ah, alguém sabe se existe algum Consumidores Anônimos? Preciso me inscrever neles com urgência....


segunda-feira, agosto 05, 2002

Já tenho programa para o sábado. E se você curte um bom rock, pode marcar na sua agenda a volta de uma das melhores festas da cidade:

MATE-ME POR FAVOR - MAIS FORTE AINDA

Quando todos pensavam que estávamos definitivamente mortos, a velha festa MATE-ME POR FAVOR se liberta de vez do bairro de Botafogo e alcança a terra de Vinícius, o imprudente de Moraes.
Neste sábado, eu e o DJ José Otávio Sebadelhe estaremos tocando de novo os vivos e os mortos: Beatles, Neil Young, Iggy Pop, Rolling Stones, Creedence Clearwater, b-52´s, REM, Martinho da Vila, Jimi Hendrix, Roy Orbison, Marvin Gaye, Red Hot Chilli Peppers e até mesmo de saideira uma do Lupiscínio, quem sabe.

O local? Ipanema, na boate SPIN (Rua Teixeira de Melo, 21, tels 3813-4045

A data? Como eu disse, neste sábado, 10 de agosto, a partir de 22h

O preço? Entrada: R$ 5. Consumação mínima de R$ 7.

Os tocadores de música? Gustavo e Zé Otávio

"Minority report". Só direi isso por enquanto: VÁ VER
Uma discussão em um bar. Uma briga. Frankie Kohler, um típico vigarista de Nova York, apanha e acorda largado na calçada. Procura os homens com quem brigou e diz que quer desfazer o mal entendido. No apartamento de um deles, mata os dois a sangue frio e ainda acerta um velho na perna. Na fuga, é reconhecido pela namorada de um dos homens assassinados. A polícia sabe quem ele é, mas mesmo assim, não consegue prende-lo. O ano era 1970.

Em 1996, um investigador da promotoria perto da aposentadoria passa em frente ao local onde ficava o restaurante de um dos mortos. Ele se lembra do homem que conheceu quando era um tira iniciante, que patrulhava as ruas da cidade. Resolve pegar os arquivos do caso, que foi fechado porque Kohler foi dado como morto. Mas não existe um copo ou um atestado de óbito. O assassino foi considerado morto baseado apenas em declarações de parentes. Ele decide reabrir o caso e mais de 25 anos depois, prende Kohler.

Um excelente enredo para um romance policial. Mas "Um caso arquivado", de Philip Gourevitch, não é um romance. É um excelente livro-reportagem. Os fatos acima são reais. Gourevitch entrevistou as pessoas envolvidas e pesquisou em várias publicações. Mais do que apenas relatar a investigação, o jornalista procura traçar o perfil psicológico dos envolvidos, em especial de Kohler. Um grande livro.

Recebi essas frases da Roberta, que por sua vez recebeu da Ana Paula:

"Algumas vezes quando reflito acerca de toda a cerveja que já bebi, me sinto envergonhado. Mas logo vejo além do copo e penso nos trabalhadores da cervejaria e seus sonhos e esperanças. Se eu não bebesse esta cerveja, eles poderiam perder seus trabalhos e todos os seus sonhos veriam-se desfeitos. Portanto eu digo, "É melhor que eu beba esta cerveja permitindo que seus sonhos se tornem realidade do que eu seja egoísta e me preocupe com meu fígado."
Jack Handy

"Algumas vezes um homem inteligente é forçado a ficar bêbado para passar um tempo com os burros".
Ernest Hemingway

"Quando li sobre os problemas que a bebida causa, deixei de ler."
Henny Youngman

"24 horas num dia, 24 cervejas numa caixa. Coincidência?"
Stephen Wright

"Quando bebemos, ficamos bêbados. Quando ficamos bêbados, dormimos. Quando dormimos não cometemos pecados. Quando não cometemos pecados vamos para o céu... Portanto, vamos ficar bêbados para ir ao céu!!!"
Brian O'Rourke

MENSAGEM PUBLICITÁRIA DE UMA CERVEJA:
"Ajudando as feias a fazer sexo desde 1862"

sexta-feira, agosto 02, 2002

Cora e Elis falam em seus blogs de um teste para descobrir que poeta você é. Não sou de fazer esses testes, mas resolvi fazer este. A resposta pode ser mais de uma. No meu caso, o resultado deu três alternativas: Dorothy Parker, Sylvia Plath e Maya Angelou. Não conheço a última, mas sou fã de carteirinha das duas primeiras...
Quinta é dia de faxineira lá em casa. O que signifca para mim que é dia de levantar mais cedo (tipo 11h) e sair de casa para matar o tempo até ela ir embora por volta das 14h. Por comodidade, normalmente vou ao Rio Sul, que é do lado da minha casa.

Pego meu discman, alguns CDs e fico perambulando por lá. Tento evitar, mas acabo sempre na Saraiva e na Sodiler. O que implica quase sempre na redução da minha conta bancária. Quinta passada não foi diferente. Caminhando ao som de Radiohead, de repente me vejo em frente a seção de pocket books da Sodiler. Meu cérebro me distraiu com a música e obrigou meus pés a me levarem lá.
Resultado: sai de lá com 'A dama do lago', de Raymond Chandler, e 'Notas de um velhos safado', de Bukowski.

Daqui a pouco, a pilha de livros para ler estará mais alta do que eu.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Comments by: YACCS